Unicom e Circuito de Tráfego

Unicom e circuito de tráfego na prática

Se você acompanhou a live do dia 25 de julho, você percebeu que eu não consegui completar o voo que eu propusera para aquela ocasião — entre Joinville (SBJV) e São Francisco do Sul (SSSS) — por causa dos frames baixos. Então, neste fim de semana, resolvi fazer um vídeo desse voo, para que possamos revisar coordenação de tráfego na Unicom e execução de circuito de tráfego padrão.


Antes de você assistir ao vídeo mais ali embaixo, seria interessante acompanhar a revisão de conteúdo que eu fiz na live no dia 25 de julho. Como não deu para fazer o voo, eu abordei interpretação de METAR, interpretação de TAF e preenchimento de plano de voo.

Agora, nesse novo vídeo, a ideia é complementar a revisão. Vamos ver circuito de tráfego e também coordenação de tráfego na Unicom.

Como já falei, decolamos de SBJV, fizemos o procedimento de saída do circuito de tráfego da pista 33, voamos em direção ao centro de Joinville. Depois praticamente invertermos o nosso deslocamento, assumindo um navegação pela Baía da Babitonga. Ao chegarmos ao porto de Itapoá, voamos direto para o circuito de tráfego da pista 36 no aeroclube de São Chico.

Ao longo do vídeo, eu dou dicas preciosas sobre a coordenação da Unicom e também alguns macetes para que você execute de modo mais “profissional” o circuito de tráfego, especialmente no pouso.

Então, clica aí no vídeo abaixo e aproveite!

Assista à revisão de Unicom e Circuito de Tráfego

Regra básica da boa coordenação na Unicom

  1. Se houver tráfegos dentro de 40nm;
  2. Por texto, pois o raio de abrangência é restrito à região onde você está;
  3. Lembre-se de informação a posição com um componente de navegação lateral e um de navegação vertical. Diga também sua intensão a partir dessa posição e um tempo estimado para conclui-la.
  4. Preste atenção às coordenações dos outros tráfegos e não apenas faça sua coordenação por fazer.

Regra básica do circuito de tráfego

  1. Aeronaves a jato, executam o circuito a 1500 pés acima do solo;
  2. Aeronaves a hélice, executam o circuito a 1000 pés acima do solo;
  3. Helicópteros executam o circuito a 500 pés acima do solo;
  4. O circuito de tráfego é padrão quando as curvas são à esquerda. É não-padrão quando as curvas são à direita.
  5. Se o aeródromo tiver carta VAC, valem a altitude e o trajeto indicados na carta. Se não tiver, a regra é circuito de tráfego padrão, com a altitude de acordo com o tipo de aeronave;
  6. Mantenha-se sempre em referência com o aeródromo, especialmente na execução do circuito de tráfego nas aproximações e pouso.


Inscreva-se no canal no Youtube



Sobre Felipe Faria

Tem 37 anos, é natural de Florianópolis e residente em Joinville. Apaixonado por surfe, música e aviação. Criou e mantém o site e o canal no YouTube Aviação Virtual Para Iniciantes para, principalmente, ajudar a quem está começando neste hobby.